Cruzamentos

quarta-feira, junho 21, 2006

Abstracto & Concreto

O início de dois filmes separados por 32 anos: da abstracção para o concreto, da "criação pura" para a apropriação de imagens "reais" - do universal para o particular. "Berlin" parte da imagem "real" (a "Intriga" também, se contarmos com o leão da MGM, já sobre o fundo verde do genérico e com a música de Bernard Herrmann) para a "abstracção" e, daí, outra vez para a imagem real que irá, por sua vez, ser abstractizada, tornada dificilmente reconhecível, pela velocidade e pelo cinema. A "Intriga" parte de cima para baixo, do simples para o complicado, do abstracto para o concreto, do universal para o particular, até ao indivíduo concreto apanhado nas tramas que o ultrapassam: Roger O. Thornhill (Cary Grant). A "realidade" do leão é a da ficção cinematográfica e as linhas imateriais do desenho prenunciam as "tramas" que enredarão o protagonista (e são matrizes platónicas que precedem o mundo material, bem como as direccções, cruzadas, desse Norte e Ocidente referidos no título original North by Northwest). Ambos os filmes são apresentados sem som: para uma versão sonora do genérico da Intriga Internacional procure-se no You Tube. Uma versão integral do "Berlin", visível e descarregável (download) gratuitamente, encontra-se no Internet Archive - filme também acessível no Google Video, com outras preciosidades (cliquem em "Playlist", "From user" e "Related" - e façam, sempre, as vossas buscas).

Walter Ruttmann, Berlim: Sinfonia de uma Grande Cidade (1927), sequência inicial


Alfred Hitchcock, Intriga Internacional (1959), sequência inicial

Etiquetas: , , , , ,

12 Comments:

  • Olá t.d.h.
    Correu bem a sessão?

    Gosto muito Bernard Hermann. Também gosto das peças dos Popol Vuh para os filmes de Herzog e achei fantástico o uso que Kubrick fez da música de Ligeti no "2001 Odisseia no Espaço" e no "Shining". Acho que também usou Ligeti no "Eyes Wide Shut". É uma penaque na maioria dos casos, hoje em dia, os filmes ou têm má música ou uma colecção de canções que pertencem a quem lança o filme.
    Já te tinha falado do meu blog mas por agora só serve para dar tiros no patinho.

    By Blogger a soldo, at 23/6/06 11:27  

  • Uma sessão com O Homem da Máquina de Filmar corre sempre bem, obrigado.

    Creio que me mandou um mail que eu tomei por um comentário que julguei ter publicado (mistura-se tudo na caixa de correio).

    Não se preocupe: a pistola é de brincar, como o patinho.

    By Blogger O Tipo das Histórias, at 23/6/06 11:47  

  • Oi, a versão do Belim disponível no Archive é sem som. EU já baixei e por isso sei. O filme perde a graça, pois a música foi feita para dar o ritmo, ao contrário do que acontecia com os outros filmes mudos. Vejo até Metrópolis sem som, mas Berlim não dá.

    By Anonymous Bibi, at 27/6/06 05:11  

  • A música é muito importante na maneira como Ruttamann concebia o cinema - mas, de qualquer forma, é prodigioso podermos contar com estas versões online de filmes que, até há muito pouco tempo, mesmo nas cinematecas era muito raro ver. Bibi, porque não arranja uma música para a versão muda que descarregou?

    By Blogger O Tipo das Histórias, at 27/6/06 11:12  

  • Bibi,

    Só agora fui ver o seu blog: parabéns! Mais um local na net para discutir e saber onde procurar cinema.

    Refiro-me ao Bibi's Box: porque, se bem percebi, o Cinematógrafo também é "seu" - então já sabe o que eu penso.

    Até breve.

    By Blogger O Tipo das Histórias, at 27/6/06 11:29  

  • Bom, é... eu baixei outra versão com som usando torrent. Daí coloquei no Google Video. Devia ter colocado lá no Archive, mas na época não tinha um conta lá. Aliás, ainda preciso descobrir como funciona para adicionar filmes por lá.

    Ah, sim, os dois são meus. Obrigada. É mais uma questão de idioma e assunto, mas acho que tenho mais posts sobre cinema lá no box do que no Cinematógrafo.

    By Anonymous Bibi, at 27/6/06 12:43  

  • Para colocar documentos no Archive tem de ter uma conta lá e, depois, a forma mais fácil (acho eu...) é ter uma conta no Ourmedia e fazer o upload através dessa conta: o que colocar no Ourmedia é, automaticamente, disponibilizado através do Archive. Mas você já devia saber isto tudo.

    By Blogger O Tipo das Histórias, at 27/6/06 15:16  

  • Não, não sabia, mas tenho contas nas dois. No Ourmedia eu tenho uma conta há muito tempo. Vou dar uma olhada no que eu tenho aqui salvo. :)

    By Anonymous Bibi, at 28/6/06 04:51  

  • Se já fez uploads através do Ourmedia, então esse material já está disponível no Archive.

    By Blogger O Tipo das Histórias, at 28/6/06 12:23  

  • Nunca fiz, mas farei. Obrigada pela dica. :)

    By Anonymous Bibi, at 28/6/06 14:42  

  • Ok, meu último comentário por aqui, mas acho que vais gostar disso: Walter Ruttman - Lichtspiel Opus I

    By Anonymous Bibi, at 28/6/06 22:06  

  • Espero que não seja o seu último comentário neste blog: apesar do fim do curso, gostaria de manter o blog sem interrupção até ao próximo ano escolar.
    A Opus I do Ruttmann já existia na net (pode ver um post aqui, mais abaixo, onde se dá a morada do filme na MediaKunstNetz - a cores: é a versão do You Tube) e a minha cópia do "Berlim" tem uma versão não colorizada. Mas acertou: gostei muito de ver mais uma raridade na net, sobretudo um trabalho pioneiro do cinema abstracto. E, a partir de agora, graças à sua dica, o embed vai ser mais fácil (através da MediaKunstNetz era muito pouco eficaz).

    By Blogger O Tipo das Histórias, at 29/6/06 11:45  

Enviar um comentário

<< Home


Powered by Blogger